História da Cerveja – Parte 1

Não poderíamos iniciar uma série de posts sobre cerveja sem começar pelo passado, e assim começamos uma série de posts contando a história da cerveja desde seu descobrimento, passando por suas épocas douradas e sua idade das trevas até o cenário cervejeiro atual.

Neste nosso primeiro post, vamos explicar como a cerveja foi criada, ou melhor, descoberta pelos sumérios, alguns milhares de anos antes de Cristo.

A Cerveja na Suméria

Barra suméria ilustrando a cerveja

Barra suméria ilustrando a cerveja

A Suméria é considerada a civilização mais antiga da humanidade, localizada no sul da Mesopotâmia, próximo ao Golfo Pérsico, onde atualmente fica o Iraque. Essa civilização tem origem em cerca de 6.000 a.C. e teve seu declínio logo após 2.000 a.C.

Os sumérios, como primeira civilização do planeta, são responsáveis por diversas invenções e descobertas importantíssimas, como a primeira forma de escrita, a economia, a agricultura, o primeiro registro de religião e claro, a cerveja.

Como naquela época a busca pela garantia de alimentação era parte importante da vida das pessoas, os sumérios conseguiram administrar plantações de uma espécie antiga de grama e alguns cereais, entre eles a cevada e o trigo.

Estes cereais eram colhidos com facilidade pelos homens, e eram parte importante da dieta da população. Os cereais eram sempre duros e de difícil digestão e os sumérios acabaram fazendo farinha com estes cereais. Mas ainda assim a farinha era difícil de se fazer, mas, de alguma forma, os sumérios descobriram que, se deixassem os cereais de molho na água, eles absorviam a água e ficavam mais moles, permitindo que fossem ingeridos ou virassem pasta facilmente. A partir daí esses cereais foram utilizados para fazer pães.

Daí para a descoberta da cerveja foi um pulo: os cereais eram molhados. Algum dia descobriram que, se deixassem os cereais molhados por algum tempo, eles se transformavam em uma nova planta. Depois disso descobriram que, se eles fossem molhados, germinassem e depois fossem secos, era possível utilizar esses cereais para fazer pães mais doces. Como nada era desperdiçado, as sobras das sopas de cereais eram guardadas e provavelmente, depois de alguns dias guardada, aquela sopa havia sido fermentada e se tornado um líquido muito bom. Assim nasceu a cerveja.

A cerveja tornou-se uma parte importante da sociedade dos sumérios. Tanto os ricos quanto os pobres tinham acesso à bebida e acreditava-se que até mesmo os deuses bebiam cerveja. Sendo assim, o processo de fazer cerveja foi evoluindo juntamente com a civilização suméria e passou a fazer parte do dia-a-dia da população. A cerveja era bebida por todas as classes da sociedade, como parte da alimentação diária e recebeu aditivos, como frutas e mel.

Como a cerveja passou a incluir o processo de fervura, a cerveja contribuía também para a saúde dos sumérios, já que a água a que tinham acesso nem sempre estava livre de contaminações. Já a cerveja, estava razoavelmente segura, já que passava pela fervura.

Pesquisadores ainda descobriram que a cerveja era bebida pelos sumérios através de canudos de palha. Os canudos eram usados para que os resíduos sólidos da cevada não fossem ingeridos juntamente com o liquido.

Ninkasi – A deusa da cerveja

Ninkasi

Ninkasi

A cerveja tinha tanta importância para a sociedade suméria que uma das entidades de seu panteão religioso era responsável pela cerveja. A deusa Ninkasi, ou “aquela que enche a boca“, se posicionava no panteão sumério como uma das oito entidades filhas da relação incestuosa de Enki, deus das águas doces e de Ninti, deusa dos oceanos. A lenda dizia que a deusa Ninkasi havia nascido de águas frescas e cintilantes. Enki ainda era considerado o deus do conhecimento, pois a água era associada à sabedoria. Ambos os deuses estão envolvidos na mitologia da criação do homem. De acordo com a mitologia suméria, o homem foi moldado na argila por Enki e Ninti. Os deuses usaram o próprio sangue no processo de moldagem do homem.

Apesar de evoluírem muito o processo cervejeiro, os sumérios deixaram pouco material para permitir que a cerveja que eles fabricavam fosse repetida nos dias de hoje. A única receita de cerveja dos sumérios está em um poema chamado “Hino à Ninkasi“, ou “Louvor à Ninkasi“. Estima-se que o poema foi escrito por volta de 1800 a.C.

Segue abaixo a tradução do poema:

Nascida de água corrente,
Ternamente cuidada pela Ninhursag,
Nascida de água corrente,
Ternamente cuidada pela Ninhursag,
Tendo fundado sua cidade pelo lago sagrado,
Ela rematou-a com grandes muralhas para você,
Ninkasi, fundando sua cidade pelo lago sagrado,
Ela rematou-a com grandes muralhas para você,
Seu pai é Enki, Senhor Nidimmud,
Sua mãe é Ninti, a rainha do lago sagrado.
Ninkasi, seu pai é Enki, Senhor Nidimmud,
Sua mãe é Ninti, a rainha do lago sagrado.
Você é a única que lida com a massa com uma grande pá,
Misturando em uma caldeira, o bappir (pão sumério) com ervas aromáticas doces,
Ninkasi, você é a única que lida com a massa com uma grande pá,
Misturando em uma caldeira, o bappir com tâmaras ou mel,
Você é a única que assa o bappir no grande forno,
Coloca em ordem as pilhas de grãos descascados,
Ninkasi, você é a única que assa o bappir no grande forno,
Coloca em ordem as pilhas de grãos descascados,
Você é a única que rega o malte jogado pelo chão,
Os cães nobres mantém distância, até mesmo os soberanos,
Ninkasi, você é a única que rega o malte jogado pelo chão,
Os cães nobres mantém distância, até mesmo os soberanos,
Você é a única que embebe o malte em um cântaro,
As ondas surgem, as ondas caem.
Ninkasi, você é a única que embebe o malte em um cântaro,
As ondas surgem, as ondas caem
Você é a única que estica a pasta assada em largas esteiras de palha,
A frieza domina,
Ninkasi, você é a única que estica a pasta assada em largas esteiras de palha,
A frieza domina,
Você é a única que segura com ambas as mãos o magnífico e doce sumo,
Fermentando-o com mel e vinho
(Você, o doce mosto da caldeira)
Ninkasi, (…) (Você, o doce mosto da caldeira)
A cuba de filtragem, que faz um som agradável,
Você coloca adequadamente em uma cuba coletora grande.
Ninkasi, a cuba de filtragem, que faz um som agradável,
Você coloca adequadamente em uma cuba coletora grande.
Quando você despeja a cerveja filtrada do barril coletor,
É como o encontro do Tigre e Eufrates.
Ninkasi, você é a única que derrama a cerveja filtrada do barril coletor,
É como o encontro do Tigre e Eufrates.

Obs.: A tradução é livre e por isso podem-se encontrar diferentes versões do poema.

Ninkasi e a cerveja

Ninkasi e a cerveja

Na sociedade suméria, enquanto os homens eram responsáveis pela caça e colheita, eram as mulheres que permaneciam nas cidades e fabricavam a cerveja. Daí a figura feminina da deusa Ninkasi. Existiam casas de cerveja, que as mulheres administravam e serviam como forma de diversão masculina.

 

E é isso pessoal, por hoje ficamos por aqui. Aguardem os próximos episódios da saga desse líquido tão admirado hoje em dia.

Fontes:

One thought on “História da Cerveja – Parte 1

  1. Adorei o post. Super interessante aprender sobre a história da cerveja e descobrir que esta bebida é assim tão antiga. Parabéns!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

You may use these HTML tags and attributes: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>